Ultimas da Net :
Home » , » "O Ataque" é cinema de ação despreocupado e bem feito

"O Ataque" é cinema de ação despreocupado e bem feito

Written By Ronaldo idelfonso de sousa on sexta-feira, 6 de setembro de 2013 | 6.9.13

O maior elogio possível a "O Ataque" é definí-lo como uma espécie de "Duro de Matar na Casa Branca". Isso porque boa parte das melhores características do clássico de Bruce Willis estão aqui presentes. E são justamente elas que fazem com que "O Ataque" paire ligeiramente acima da média do cinema de ação descerebrado hollywoodiano. Mas apenas ligeiramente.
Aqui Channing Tatum faz John Cale, ex-militar que está tentando um emprego no Serviço Secreto, o grupo que faz a segurança pessoal do Presidente dos EUA, que, por sua vez, acabou de anunciar um audacioso plano para retirada de tropas do Oriente Médio. E aí a Casa Branca é invadida por um grupo terrorista, deixando Cale como a única coisa entre eles e o Presidente Sawyer, papel de Jamie Foxx, alvo final deles. Tudo, claro, cheio de pequenas reviravoltas e surpresas.

Tatum dando raça
As maiores qualidades do filme ficam nas costas de Tatum. E é aí que cabem as comparações elogiosas com o primeiro "Duro de Matar". Assim como o McClane de Willis, Cale não está interessado em salvar o dia. Ele faz o que precisa fazer e seu objetivo é dar o pé de lá na primeira oportunidade que tiver, de preferência com sua filha pré-adolescente, interpretada por Joey King, principal motivo dele seguir enfiado na Casa Branca sitiada.

ataque chaning tatumMelhor segurança e melhor presidente


Ele não é, claro, a única coisa boa do elenco. Considerando que é um blockbuster, o nível dos atores é consideravelmente alto. Desde a pequena Joey - criança prodígio com cada vez mais destaque e méritos - até veteranos como James Woods e Richard Jenkins. Fora Maggie Gyllenhaall, Jason Clark, ou o já citado Foxx. Todos decidiram investir na construção de personagens críveis, o que ajuda ao espectador mergulhar na trama - que, sejamos justos, nunca chega a exigir fé demais da nossa parte.

Roland Emerich é um diretor com notório apreço por explodir coisas, e em "O Ataque" a coisa não é muito diferente. Nada, claro, na escala global de destruição que ele vinha se dedicando em seus últimos trabalhos - "2012" e "O Dia Depois de Amanhã". Mas fica a piada dessa ser a segunda vez que ele se volta para a Casa Branca (a primeira foi na icônica cena de "Independence Day"). Deve ser algum fetiche, ou algo do gênero.
ataque chaning tatumNo fundo, Emerich é um anarquista


Ainda assim, ele está anos-luz, em termos de elegância cinematográfica, em relação a um, digamos, Michael Bay. O filme trabalha muito bem seu ritmo e andamento, sabendo as horas de colocar suas cenas de ação e de alterná-las com outras sensações como tensão ou preocupação. Tudo arquitetado para ir nos direcionando ao clímax, que se não é tão espetacular quando poderia ou deveria ser, quebra o galho ao menos.

Por outro lado, é um filme americano que se passa na Casa Branca e cujo o mote é a proteção do presidente. Isso pode ser indigesto para quem não gosta de ter propaganda ufanista empurrada goela abaixo. Exemplo supremo é a forma como o Presidente Sawyer é retratado. Nunca um país teve um líder, ao mesmo tempo, tão carismático, esclarecido e humanista. Mais do que as explosões e a história de como um homem sozinho salva o mundo da guerra nuclear iminente, talvez seja justamente essa a parte mais difícil de engolir.

Confira o trailer:

Luiz Gustavo Vilela

                               Luiz Gustavo Vilela fonte:pop.com.br

Share this post :

Postar um comentário

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2011. Irecê News - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger